quarta-feira, 21 de junho de 2017

Café Terapêutico ... caminhando para uma grande festa de 10 anos

Em maio de 2018  acontecerá a festa de 10 anos do projeto Café Terapêutico - Grupo de pais, alunos e,amigos e parceiros  em busca de uma sociedade realmente inclusiva
Com muita alegria será lançado o livro:
"Com açúcar ou adoçante Café Terapêutico sempre emocionante", que contará com 10 capítulos  representando nossos encontros de aniversário desde 2009.
A novidade [é que o 10º e último capítulo será escrito coletivamente com  o  Grupo de pais, alunos, amigos e parceiros em busca de uma sociedade realmente inclusiva.






Inclusão se faz com parceria

Instituto Alana
Instituto Rodrigo Mendes
CIEJA Campo Limpo


Todos juntos podemos fazer a diferença. 

terça-feira, 13 de junho de 2017

Registro da IV FLIC 2017



É com grande alegria que o CIEJA Campo Limpo vem convidá-lo a assistir ao registro de alguns momentos do IV Festival Literário- Literatura: voz do oprimido, que acontecereu no  dia 01 de junho de 2017, das 8h às 22h, em nossas instalações.
O FLIC- Festival Literário do CIEJA Campo Limpo- nasceu há quatro anos e, como as demais ações do CIEJA-CL, segue movido pelo desejo de libertação. Libertação real e simbólica, que toma sua força da palavra viva. Palavra que é pátria e mãe, por isto nos define, nos impulsiona e nos ergue rumo à luta por uma Educação de Jovens e Adultos com qualidade. Partilhamos do sonho em que todos tenham o direito de ser sujeito de sua própria história, manifestada em sua pluralidade de vozes e cores, únicas e diversas.
Dessa forma, queremos, junto da sua presença, promover a celebração da palavra que é também a vida. Recriando mundos, histórias, olhares e emoções.

Nossos sinceros cumprimentos,

Comissão da FLIC e equipe CIEJA Campo Limpo 

Instituto Olga Kos -Arte Sem Limites (PRONAS) - Fevereiro 2017

Que alegria imensa poder fazer parte desse projeto com os profissionais do Instituto Olga Kos.
Nós do CIEJA Campo Limpo acreditamos muito no trabalho realizado no IOK e agradecemos imensamente pela parceria.
INCLUSÃO se faz com UM OLHAR QUE VALORIZA
INCLUSÃO se faz com AÇÃO PARA mais INCLUSÃO
INCLUSÃO se faz com PARCERIA e ALEGRIA.
 
 

 
 

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Mais uma publicação envolvendo o CIEJA Campo Limpo


ESCOLAS TRANSFORMADORAS LANÇA PUBLICAÇÃO DIGITAL ‘PROTAGONISMO – A POTÊNCIA DE AÇÃO DA COMUNIDADE ESCOLAR’




Fruto da roda de conversa realizada em novembro de 2016, livreto reúne dez artigos que discutem o conceito de protagonismo na comunidade escolar

Construir um entendimento sobre a importância do protagonismo infanto-juvenil na educação para que essa seja uma das principais ferramentas de resolução de problemas e intervenção no mundo é o que fundamenta a publicação digital ‘Protagonismo – a potência de ação da comunidade escolar’, organizada pelo Programa Escolas Transformadoras. O lançamento será durante a III Conferência Nacional de Alternativas para uma Nova Educação (CONANE), em Brasília (DF), no dia 16 de junho, seguido de uma roda de conversa transmitida ao vivo pelo Facebook, na página do Programa


A decisão em refletir sobre este tema nasceu da crença de que todos podem ser agentes de transformação social, desde que tenham acesso a uma educação que contemple e priorize competências como a criatividade, o trabalho em equipe, a empatia e o protagonismo. “Tão importantes quanto a matemática ou o ensino de línguas, essas competências ainda são desconsideradas por muitas escolas, profissionais da educação e famílias, fato que justifica a relevância desta publicação, que também convida o leitor a reconhecer essa ferramenta na resolução de problemas sociais”, explica Raquel Franzim, assessora pedagógica do Alana. 

Fruto da roda de conversa Protagonismo na Educação: Por uma Sociedade de Sujeitos Transformadores, realizada em novembro de 2016 em São Paulo (SP), a publicação reúne 10 artigos com reflexões e relatos de experiências em escolas do Brasil e da América Latina, como Abdalaziz de Moura do Serta de Pernambuco; Alejandro Bruni da Argentina e Santiago Perera da Venezuela; Carolina Pasquali, jornalista e diretora de Comunicação do Alana; Helena Singer, Beatriz Goulart e Adriana Friedman, especialistas em educação; Regina Cabral, empreendedora social da Ashoka e Carolina Hikari do IFPR – Campus Jacarezinho.

Os artigos abordam temas como as potencialidades de cada sujeito, o protagonismo na infância e as ocupações das escolas por estudantes secundaristas nos últimos anos como uma notável revelação de protagonismo juvenil. No livreto, os autores ainda refletem sobre o protagonismo como construção coletiva e sobre o papel da escola diante dos desafios de um novo tempo.

Além da versão em português, o material também estará disponível em inglês e espanhol.

terça-feira, 6 de junho de 2017

Atividades Extras

Relato dos alunos sobre as atividades no piso verde do Senhor Paulo Almeida, turma liberdade,
2º período.





Sarau do Binho no CIEJA Campo Limpo

No último dia 23 o Sarau do Binho registrou presença no CIEJA Campo Limpo 




Ida ao teatro Frei Caneca

Parceria entre A base e o CIEJA Campo Limpo, possibilita a ida de jovens ao teatro Frei Caneca  assistir a peça RENT. 


Último dia do curso para professores da rede municipal de ensino

Todos estão convidados a participarem do encerramento do curso para professores da rede municipal de ensino de São Paulo. Tal evento ocorre dentro da programação da IV FLIC do CIEJA Campo Limpo. É só chegar!!!!



segunda-feira, 5 de junho de 2017

Momentos da grande festa de 9 anos do Café Terapêutico - Um novo AR para a INCLUSÃO.







Com os nossos sonhos aprendemos também que eles podem acabar.
Nesse sentido, hoje queremos viver 
o sonho possível da INCLUSÃO.
O sonho que se torna realidade a partir da nossa ação ... nossa criação.
Queremos juntos, respirar Um novo AR para a INCLUSÃO ... porque SER DIFERENTE É NORMAL.
Temos a oportunidade de mostrar que somos capazes de criar, inovar e porque não dizer que somos capazes de causar.
Causar e despertar uma inquietação que nos faça capazes de se mobilizar.
Os exemplos são muitos... e hoje, apresentamos um cardápio bem resumido de experiências exitosas de inclusão que provocam transformação.
CIEJA Campo Limpo – uma escola que acolhe, respeita as diferenças e transforma vidas de alunos, pais, funcionários, parceiros e comunidade,
Café Terapêutico – atividade que possibilita escuta, participação, busca parcerias e efetiva a INCLUSÃO de maneira, simples, clara, objetiva e real.
Comemorar 9 anos de trabalho ininterrupto com uma coleção de prêmios, entrevistas, artigos, citações e uma gama enorme de convites, não tem preço.
Porém, o maior prêmio é a efetiva participação de pais, alunos, amigos e parceiros desde 14.03.2008 – data do nosso prêmio e inaugural encontro.
Sendo assim, neste momento, gratidão é a palavra que vem do coração.

Constam também no cardápio de hoje :

Leonora Áquilla – Sentindo na pele desde a infância o que é exclusão, hoje realiza ações diversas para o bem estar e inclusão social de muitas pessoas.
Sandra Reis – A galera do click – com uma turma muito especial, não se limita apenas a viver a vida, mas sim, registrar e perpetuar momentos mágicos.




Crescendo juntos – Grupo de mães que se empenham com muita diversão e alegria na efetivação da inclusão no dia-a-dia.
Kiki Faria - Amigos da Angel –– Um exemplo de eternização do amor especial que receberam, recebem e compartilham com o próximo.

André Luiz – TV Doc Inclui – atuando na formação e transformação de jovens com um olhar que valoriza o ser.

Extremo X – Incentivando jovens a colocarem em prática a criatividade e a trilhar um caminho de paz, alegria e superação.
André Gravatá – Incentivador de pessoas. Descobridor de belezas e sutilezas.
Transformador de espaços educativos. Um grande exemplo de inclusão pessoal, social, educacional.

Ana Raia - Trabalha com desenvolvimento de pessoas na área pessoal e profissional. Com muita competência ajuda o próximo a ter uma vida plena e feliz.

Rodrigo Del Arc - Cantor, compositor, ator, modelo, locutor e produtor artístico ... com suas músicas proporciona a inclusão no mundo das artes e do encantamento pela vida.
Adriana Marques – Um pequeno relato sobre sua passagem pelo CIEJA Campo Limpo e os novos caminhos de inclusão que tem trilhado.

Plano de Menino - Uma galera muito animada que tem descoberto e conquistado a cada o seu lugar no mundo.
Instituto Olga Kos - Amigos e parceiros que realmente entendem o que é INCLUSÃO.
Uma parceria muito esperada.
Uma parceria que compactua com o nosso olhar para a INCLUSÃO efetiva da pessoa com deficiência.
Não poderia ser diferente pois, com um grupo de profissionais comprometidos, capacitados e totalmente engajados...os resultados só podem e devem ser brilhantes como o espetáculo apresentado "Constelação Inclusão".


Gratidão.
Billy de Assis e 
Êda Luiz



 

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Divulgação do nosso IV Festival literário do CIEJA Campo Limpo


Pelo site oficial da Secretaria Municipal de Educação do Município de São Paulo 



Pelo nosso parceiro Marcos Pezão no blog:  futbolando.blogspot.com.br



segunda-feira, 29 de maio de 2017

IV FLIC DO CIEJA CAMPO LIMPO

É com grande alegria que o CIEJA Campo Limpo vem convidá-lo para o seu IV Festival Literário- Literatura: voz do oprimido, que acontecerá dia 01 de junho de 2017, das 8h às 22h, em nossas instalações.
O FLIC- Festival Literário do CIEJA Campo Limpo- nasceu há quatro anos e, como as demais ações do CIEJA-CL, segue movido pelo desejo de libertação. Libertação real e simbólica, que toma sua força da palavra viva. Palavra que é pátria e mãe, por isto nos define, nos impulsiona e nos ergue rumo à luta por uma Educação de Jovens e Adultos com qualidade. Partilhamos do sonho em que todos tenham o direito de ser sujeito de sua própria história, manifestada em sua pluralidade de vozes e cores, únicas e diversas.
Dessa forma, queremos, junto da sua presença, promover a celebração da palavra que é também a vida. Recriando mundos, histórias, olhares e emoções.

Nossos sinceros cumprimentos,

Comissão da FLIC e equipe CIEJA Campo Limpo 


Segue programação: 


segunda-feira, 15 de maio de 2017

Um convite especial para você!!!


Educadores de Belo Horizonte (MG) visitam o CIEJA Campo Limpo

No último dia 09/05 tivemos a honra de receber em nossa escola educadores de Belo Horizonte (MG) interessados nas práticas do CIEJA Campo Limpo para estabelecerem diálogos na construção  do debate da EJA no município mineiro.


Alunos representaram o CIEJA Campo Limpo no Sarau do COOPERIFA em dia de Poesia no AR!!!

Em dia de poesia no ar, os alunos Matheus, Antônio e Juan visitam Sarau do COOPERIFA e recitam os seus versos autorais. 09/05/2017



Parceria entre CIEJA CL e PROVE (UNIFESP)

O CIEJA Campo Limpo, em parceria com o  PROVE, Programa ligado à Universidade Federal de São Paulo e ao Centro de Estudos Paulista de Psiquiatria, efetiva atividades direcionadas para os jovens da escola.



Educadora do CIEJA Campo Limpo participa de discussão com Tião Rocha



Educadora do CIEJA Campo Limpo Diana, participa de Café Literário da Brechoteca popular com convidado especial, Tião Rocha, dialogando sobre novas formas de interagir com o outro... e novos olhares para a educação. 





FESTIVAL DO CAPÃO



Com shows de jazz, rap, rodas de conversa, oficinas de dança, fanzine, horta, reciclagem, escuta criativa e gastronomia periférica, primeiro Festival do Capão atraiu cerca de 500 jovens
  
São Paulo – No início do século 19, o Capão Redondo era lembrado como a região de São Paulo que tinha um enorme aglomerado de araucárias, formando uma ilha de árvores (um capão) de 50 quilômetros de diâmetro em meio à paisagem rural – daí o nome do bairro. Hoje, a lembrança de muitos paulistanos sobre o distrito ainda remete a questões de violência, falta de moradia digna e ausência de equipamentos sociais para dar conta de uma população de cerca de 300 mil habitantes. 
Entretanto, na última quinta-feira (11), quando aconteceu o primeiro Festival do Capão, o bairro se apresentou de um modo muito diferente: como um polo de manifestações culturais, em plena tarde ensolarada de São Paulo. O evento – que teve o apoio da Oxfam Brasil e foi realizado em parceria com a TV DOC e a Fábrica de Criatividade – proporcionou troca de experiências políticas e sociais entre os coletivos de juventude organizados da zona sul de São Paulo. Houve shows de jazz, rap, rodas de conversa, oficinas de dança, fanzine, horta, reciclagem, escuta criativa e gastronomia periférica.
“É importante combater a desigualdade urbana dando espaço às lideranças da comunidade para mostrarem o que é feito de bom naqueles locais. Essa foi a proposta do Festival do Capão”, explica Tauá Pires, assessora política da Oxfam Brasil. “A história da cidade de São Paulo não pode deixar ser contada sem a inclusão da periferia.”
Para Eliane Dias – diretora da Boogie Naipe, que administra shows e eventos do grupo Racionais MC’s e de Mano Brown –, as mulheres que participam desse tipo de evento são aquelas que não aceitam o “não” como resposta. “Se eu aceitasse o ‘não’, nem teria nascido, pois sou filha de mãe solteira pobre, negra, que teve de viver na rua e sofreu muito para crescer”, disse ela, que também é coordenadora do S.O.S. Racismo, programa antirracismo da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo.
Eliane participou da roda de conversa “Juventude, Gênero e Identidade”, moderada por Karol Oliveira, ao lado de Jenyffer Nascimento, da revista Fala Guerreira. “Na minha época, tinha de usar calça larga e camiseta para ser uma menina aceita na visão machista do hip-hop. Hoje não precisamos mais nos masculinizar, é lindo sermos da forma como somos, sem se prender a clichês ou afetar nossa autoestima”, disse Jenyffer, que é negra, escritora e militante feminista no Coletivo Rosas.
O debate de “Literatura Marginal” teve a participação de Isaac Souza, do coletivo Núcleo de Jovens Políticos; Bruno Capão, da Associação Lado B; e Daniel Farias, da Literatura Marginal. Os três autores explicaram como a proposta, até pouco tempo vista como subversiva, consegue chegar mais facilmente à juventude porque usa sua linguagem, com palavrões e gírias, para narrar o dia a dia da comunidade.
“É uma literatura que, de certa forma, dá voz a essa população, mostra sua realidade”, explicou Isaac Souza. “Se você acha que não gosta de ler, pelo menos, carregue um livro na sua mochila. Uma hora você vai querer saber o que está escrito lá dentro, e a aventura vai começar”, disse Bruno Capão. “Sua vida é um livro, mano. Então, trate de ler para aprender como escrevê-la direito", ponderou Daniel Farias. 
Oficinas de horta, reciclagem, forró, jazz, danças urbanas, escuta criativa, gastronomia periférica e shows de encerramento completaram as atrações do Primeiro Festival do Capão. 

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Atividade do SAAI - DI no Parque Santo Dias

Hoje tivermos o prazer de realizar atividades de caminhada e lanche coletivo no Parque Santo Dias com os alunos da professora Samara em parceria com os Professores Marcos e a Fernanda. Parabéns!


sexta-feira, 5 de maio de 2017

CIEJA Campo Limpo no Canal TV Futura

Situada no Capão Redondo, uma das regiões mais perigosas da maior cidade da América Latina, o CIEJA Campo Limpo trouxe um exímio incentivo de que é possível mudar a educação no Brasil e que a escola pode ser o melhor lugar do mundo. Com um público de 1300 alunos e alunas, o CIEJA – Centro Integrado de Educação de Jovens e Adultos tem iniciativas para todos os perfis, mostrando que a diversidade é algo incrível para se trabalhar, principalmente no âmbito da educação.





Sobre a série JANELAS DE INOVAÇÃO - Canal FUTURA

Uma viagem pelo Brasil revelando as iniciativas educacionais mais inspiradoras do país. Este é o documentário Janelas de Inovação.
Cada um de seus 40 episódios, apresentados pela escritora e filósofa Viviane Mosé, mostra como a criatividade e o olhar individualizado podem transformar diferentes realidades e ainda servirem de estímulo para novas experiências de educação.
Janelas de Inovação é um projeto em parceria do Canal Futura e a Fundação Telefônica Vivo e foi produzido e dirigido por jovens que participaram dos projetos Geração Futura Universidades Parceiras e Curtas Universitários.
“Este projeto reforça o compromisso de promover o protagonismo de professores, alunos e da comunidade por meio da formação de educadores, criação de conteúdos e conexão entre famílias, comunidade e escola”, explica Americo Mattar, diretor presidente da Fundação Telefônica Vivo.